images-C - photoshop
23 de julho de 2014

A desenhista de rua

“Encontrar tempo para desenhar se tornou um desafio na nossa cultura tão social. É por isso que o trem se tornou meu local favorito para traçar pequenos esboços. O trem é onde comuto com o trabalho na cidade de Nova York, e onde posso ficar sozinha, rodeada por pessoas com suas próprias histórias”.

Este é o relato de Carol Hsiung, uma arquiteta de NY. Ela sempre desenhou, mas o desenho sempre foi um evento ocasional em sua vida. Foi quando, há alguns anos, ela descobriu a existência de uma grande comunidade de desenhistas através do blog Urban Sketches .

images-A“Percebi que rabiscar em meu caderno pode fazer parte da minha vida diária, por isso carrego o caderninho para onde vou. Desenho rapidamente com uma caneta Micron 01 preta, em um caderno de 6″ x 4″, conveniente para minha bolsa, fácil de passar desapercebido em público. Apesar de ser arquiteta, desenho principalmente pessoas. Acredito que pessoas criam sentido e histórias em seus ambientes. Meus antecedentes com arquitetura certamente influenciaram meu estilo. O processo de desenhar é como levar minha mente para um passeio. Relaxo, observo, documento e me conecto com o mundo”, explica Carol Hsiung.

Flickr

john-steinbeck
23 de julho de 2014

Seis dicas para a escrita, por John Steinbeck

  • Abandone a idéia de que um dia você irá terminar. Perca a contagem das páginas e escreva apenas uma página por dia, ajuda. Quando chegar ao fim, você sempre ficará surpreso.
  • Escreva livremente, tão rápido quanto for possível e atire tudo no papel. Nunca corrija ou reescreva até que tudo esteja feito. Reescrever durante o processo é geralmente uma desculpa para não seguir em frente. Também interfere no ritmo e na fluência, que só pode vir com um tipo de associação inconsciente com o material.
  • Esqueça seu público alvo. Em primeiro lugar, a audiência sem nome e sem rosto irá assustá-lo até a morte. Em segundo lugar, ao contrário do teatro, esta audiência não existe. Na escrita, sua audiência é de apenas um leitor. Eu descobri que às vezes ajuda escolher uma pessoa – uma pessoa real que você conheça, ou uma pessoa imaginada – e escrever para ela.
  • Se uma cena precisa do melhor de você para ficar boa, e você quer mantê-la – deixe-a de lado e prossiga. Quanto tiver terminado o todo, você pode voltar a ela e assim, talvez você poderá descobrir o motivo pelo qual ela lhe deu trabalho, talvez ela não pertença àquele lugar.
  • Tome cuidado com uma cena que se torne muito querida, mais querida do que o restante. Geralmente pode-se descobrir que não se enquadra no contexto.
  • Se você escreve diálogo – fale alto enquanto escreve. Só assim você saberá como soa a fala.
20 JULHO 2014-3
20 de julho de 2014

Eva e Juarez

Era finzinho de domingo, o sol já fraco, quando vi este casal carregando alguns pedaços de madeira para cercar um território improvisado com galhos como cerca, no centro do Lago Sul, um dos bairros mais ricos de Brasília e do Brasil.

Ele se chama Juarez, veio do Piauí, sofre com dores de coluna. Ela se chama Eva, do Goiás, já sofreu um derrame. São sobreviventes abrigados neste pequeno espaço sem paredes e sem teto, convivendo com frio e chuvas e fome diariamente. Há mais de dez anos fazem companhia um ao outro.

Quando passei pelo local e vi os dois carregando pedaços de madeira, tive que parar para fotografá-los. Ficaram desconfiados. Juarez aceitou a foto, mas Eva não quis, então eu perguntei se poderia fazer a foto caso trouxesse algumas coisas para que eles pudessem matar a fome, estavam sem comer desde cedo.

Fui ao supermercado, comprei dois litros de água, suco, dois salgados, pacotes de biscoito, algumas bananas, algumas maçãs, um par de escovas e alguns sabonetes e voltei para fazer a foto. Quando eles me viram, Eva mudou a atitude desconfiada e ficou com esse olhar amigável no rosto pedindo desculpas, porquê não queria sair na foto parecendo uma louca, carregando madeira por ai. Enquanto isso o Juarez também se justificava: “Eu sempre falo. Ela é muito desconfiada, muito brava. Tem que ter humildade. Não pode ser assim com as pessoas”.

Por algum motivo este casal me cativou e fica registrada ai a minha homenagem aos dois. Tomara que estejam de barriga cheia e sintam-se aquecidos neste momento.

Veja outras fotos minhas no 500Px/cineasta81

Older Posts